21/11/2018 - JAMES MOODY -  James Moody"s Moods 1956 & Moody 4A 2009 - Prestige & IPO Records 

ames Moody (March 26, 1925 – December 9, 2010) was an American jazz saxophone and flute player and very occasional vocalist, playing predominantly in the bebop and hard bop styles.
Moody had an unexpected hit with "Moody's Mood for Love," a 1952 song written by Eddie Jefferson that used as its melody an improvised solo that Moody had played on a 1949 recording of "I'm in the Mood for Love." Moody adopted the song as his own, recording it with Jefferson on his 1956 album Moody's Mood for Love and performing the song regularly in concert, often
singing the vocals himself.
On November 2, 2010, Moody's wife announced on his behalf that he had pancreatic cancer, and had chosen not to have it treated aggressively. After palliative care, Moody died in San Diego, on December 9, 2010, from complications resulting from pancreatic cancer

21/11/2018

JAMES MOODY - Parker's Mood at Carnegie Hall.

PRÓLOGO

BLIND BOY FULLER - Nossa próxima atração - Blues Piedmont.

Prezados amigos,

Eu poderia dizer um monte de coisas sobre o site mas vou resumir. Aqui é lugar de música boa, não importa se é esse ou aquele ritmo, melodia, harmonia o que vale é a presença do amor e qualidade. A música, independente da motivação, origem, etnia ou vertente sempre é fator multiplicador de emoçôes, de comunhão e de fraternidade. Nesse contexto criei o Sidão na Parada. Sidão na Parada é onde a gente se encontra, onde posso, considerados os meus parcos conhecimentos do ambiente, considerada a qualidade que é um componente indispensável, me relacionar com os meus amigos e com todos aqueles que apreciam e são devotos de Euterpe. Nada é melhor para representar, pasmem, a verdadeira musa da música que o jazz, o blues e o samba. As raízes africanas, o sofrimento, a mistura, o drive, o swing, o balanço são componentes imprescindíveis na atribulação que é viver hoje. Então sem mais delongas segue o show. Aproveitem e tenham a certeza que estarei sempre a disposição, com o empenho e dedicação que a MÚSICA merece para falar, comentar e viver de modo pleno e intenso esse universo. Aguardo a presença e a visita de todos, sempre. 

Com os meus respeitos, aqui é lugar de música boa !!!!

Sidão Anttogneto

ATRAÇÃO DO MÊS : JACKSON DO PANDEIRO

José Gomes Filho, JACKSON DO PANDEIRO, eminente cantor de forró, samba e seus derivados.

Jackson do Pandeiro, nome artístico de José Gomes Filho   foi um cantor e compositor de forró e samba brasileiro, assim como de seus diversos sub-gêneros como : baião, xote, xaxado, coco, arrasta-pe, quadrilha, marcha, frevo entre outros e também conhecido como o Rei do Ritmo.

Paraibano de Alagoa Grande, Jackson nasceu em 31 de agosto de 1919, no Engenho Tanques. Era filho de uma cantadora de coco, Flora Mourão. Através dela Jackson começou a tomar gosto pelo ritmo como tocador de zabumba. Após a morte do pai, José Gomes, no início dos anos 30, a família decide mudar-se para Campina Grande. A pé, Flora e três filhos. José, Severina e João, vão tentar uma nova vida, após quatro dias de viagem.

Em Campina Grande, Jackson trabalhou como engraxate, ajudante de padaria e nas feiras conviveu com artistas populares, como coquistas e violeiros. Seu nome artístico originou-se das brincadeiras de criança, ainda em Alagoa Grande, dos filmes de faroeste, no tempo do cinema mudo, onde se autodenominava Jack, inspirado em Jack Perry, artista dos referidos filmes. O apelido pegou, e em Campina Grande, após iniciar como pandeirista ficou conhecido como Jack do Pandeiro, e passando a acompanhar artistas da terra. Mudou-se para João Pessoa nos anos 40 e continuou sua vida de músico tocando em boates e cabarés, sendo, logo a seguir contratado pela Rádio Tabajara para atuar na orquestra daquela emissora, sob a batuta do maestro Nozinho. Quando o maestro Nozinho foi contratado para a Rádio Jornal Comércio-Recife, levou alguns membros da orquestra Tabajara, entre eles Jackson do Pandeiro. Portanto Jackson já chegou em Recife formado no mundo dos ritmos, pois em Campina Grande e João Pessoa entre os anos 30 e 48 passou por zabumba, bateria, bongô, até chegar profissionalmente ao pandeiro.

Seu nome artístico nasceu de um apelido que ele mesmo se dava: Jack, inspirado em um mocinho de filmes de faroeste, Jack Perry. A transformação para Jackson foi uma sugestão de um diretor de programa de rádio. Dizia que ficaria mais sonoro e causaria mais efeito quando fosse ser anunciado.

Somente em 1953, com trinta e cinco anos, Jackson gravou o seu primeiro grande sucesso: "Sebastiana", de Rosil Cavalcanti. Logo depois, emplacou outro grande hit: "Forró em Limoeiro", rojão composto por Edgar Ferreira.

Foi na rádio pernambucana que ele conheceu Almira Castilho de Albuquerque, com quem se casou em 1956, vivendo com ela até 1967. Depois de doze anos de convivência, Jackson e Almira se separaram e ele se casou com a baiana Neuza Flores dos Anjos, com quem viveu até seus últimos dias de vida.

No Rio de Janeiro, já trabalhando na Radio Nacional, Jackson alcançou grande sucesso com "O Canto da Ema",  "Chiclete com Banana"  e "Um a Um". Os críticos ficavam abismados com a facilidade de Jackson em cantar os mais diversos gêneros musicais: baião, coco, samba-coco e rojão,  além de marchinhas de carnaval.

O fato de ter tocado tanto tempo no Casino Eldorado aprimorou sua capacidade jazzistica. Também é famosa a sua maneira de dividir a música, e diz-se que o próprio João Gilberto aprendeu a dividir com ele. Muitos o consideram o maior ritmista da história da Música Popula Brasileira e, ao lado de Luiz Gonzaga, foi um dos principais responsáveis pela nacionalização de canções nascidas entre o povo nordestino. Sua discografia compreende mais de 30 álbuns lançados no formato LP. Desde sua primeira gravação, "Forró em Limoeiro", em 1953, até o último álbum, Isso é que é forró, de 1981, foram 29 anos de carreira artística, tendo passado por inúmeras gravadoras.

Durante excursão empreendida pelo país, Jackson do Pandeiro que era diabético desde os anos 60, morreu aos 62 anos, em 10 de julho de 1982, na cidade de Brasília, em decorrência de complicações de embolia pulmonar  e cerebral. Ele tinha participado de um show na cidade uma semana antes e no dia seguinte passou mal no aeroporto antes de embarcar para o Rio de Janeiro. Ele ficou internado na Casa de Saúde Santa Lúcia. Foi enterrado em 11 de julho de 1982 no Cemitério do Cajú, na cidade do Rio de Janeiro, com a presença de músicos e compositores populares, sem a presença de nenhum medalhão da MPB. Hoje seus restos mortais se encontram na sua terra natal, localizado não no cemitério local, mas sim em um memorial preparado em sua homenagem pelo povo alagoagrandense.

24/10/2018

JACKSON DO PANDEIRO - Chiclete com Banana.

BLIND BOY FULLER - Um dos maiores representantes do blues Piedmont.

Blind Boy Fuller (nascido Fulton Allen em10 de julho de 1907  e morreu em 13 de fevereiro de 1941)  foi um guitarrista e  cantor de blues. Ele foi o mais popular artista de BBLalk, Josh White e Buddy Moss, Fultlues e Country da gravadora Piedmont, um grupo que incluía Blind on Allen nasceu em Wadesboro, Carolina do Norte,  filho de Calvin Allen e Mary Jane Walker. Filho de uma família de 10 crianças, após a morte de sua mãe se mudou com o pai para Rockingham.  Aprendeu a tocar guitarra ainda garoto e também com os artistas mais velhos as canções do campo, country rags, e canções tradicionais e Blues, populares entre os pobres e áreas rurais.

Ele se casou com Cora Allen ainda jovem e trabalhou como assalariado, mas começou a perder sua visão na adolescência. Segundo o pesquisador Bruce Bastin  "Enquanto ele estava morando em Rockingham começou a ter problemas com seus olhos. Ele foi ver um médico em Charlotte, que supostamente lhe disse que ele tinha úlceras por trás dos olhos, devido aos prejuízos iniciais terem sido causadas por algum tipo de catarata". Somente a primeira parte do seu diagnóstico estava correto. Em 1937 um exame ocular atribuiu sua perda de visão a uma conjuntivite neonatal não tratada .

Por volta de 1928 ele ficou completamente cego e começou a procurar qualquer emprego como músico, frequentemente tocando nas ruas. Estudando as gravações de country e blues de músicos como Blind Blake e tocando músicas de Gary Davis, Allen passou a ser um guitarrista formidável, e tocando nas esquinas e casas noturnas em Winston-Salem, NC Danville, VA,  então Durham, CArolina do Norte.

Em 1935, em Burlington um descobridos de talentos, James Baxter Long lhe assegurou uma sessão de gravação na American Recording Company.  Allen, Davis e Washington gravaram várias faixas em NYC, incluindo a tradicional Rag, Mama, Rag  Para promover o material Long decidiu renomea-lo como Blind Boy Fuller e também renomeou Washington  como Bull City Red.

Ao longo dos próximos cinco anos, Fuller fez mais de 120 compactos, e suas gravações apareceram em vários rótulos. Seu estilo de cantar era áspero e direto, e suas letras explícitas e desinibidas que retratavam sua vida como pessoa negra, cega e desfavorecidos das ruas - presídios, doença, morte, com uma honestidade sem sentimentalismo. Embora ele não fosse sofisticado, sua arte como um cantor folk estava na honestidade e integridade de sua auto-expressão. Suas canções continham desejo, amor, ciúme, decepção, ameaça e humor.

Em abril de 1936, Fuller gravou dez apresentações solo, e também gravou com o guitarrista Floyd Council. No ano seguinte, após audição para J. Mayo Williams, ele gravou para o selo DECCA, mas depois voltou à American Recording Company.Mais tarde, em 1937 ele fez suas primeiras gravações com Sonny Terry.  Em 1938 Fuller, que foi descrito como tendo um temperamento explosivo, foi preso por atirar uma pistola em sua esposa, ferindo-a na perna, fazendo com que ele perdesse o concerto "From Spirituals to Swing" de John Hammond, em NYC naquele ano. Quando suas gravações foram finalmente lançadas, Sonny Terry ocupou seu lugar no início de uma longa carreira de música folk. As duas últimas sessões de gravação de Fuller foram em NYC em 1940.

 

13/11/2018

BLIND BOY FULLER -Somebody's Been Playing With That Thing

SEÇÕES

PHOTOGRAPHERS

ROY DeCARAVA

Roy DeCarava foi um fotógrafo afro-americano que nasceu em 1919 e recebeu muito jovem uma aclamação da crítica por suas fotografias inicialmente pelo envolvimento e o sentido imaginativo das vidas dos músicos de jazz afro americanos  nas comunidade onde viviam e trabalhavam. Sua carreira abrange aproximadamente seis décadas e DeCarava veio a ser muito conhecido pelo estilo e o aproveitamento do campo nas fotografias em branco e preto  que eram de um refinamento e qualidade incomparáveis. O destaque e o approach de seu objeto eram de tal forma criativos, sensivel e ao mesmo tempo muito diferente da documentação social de seus predecessores. 

DeCarava produziu cinco livros  incluindo The Sound I Saw e The Sweet Flypaper of Life, assim como catálogos de referencia para museus e também pesquisas retrospectivas para os Amigos da Fotografia e o Museu de Arte Moderna de New York. Foi responsável por pelo menos 15 exibições solo e foi o primeiro fotógrafo afro-americano a ganhar o Guggehheim Fellowship. DeCarava foi capaz de fotografar por uma ano sua comunidade e New York, expressando cedo suas impressões criativas em branco e preto através do processo de gelatina de prata. Em 2006 foi premiado com a National Medal Of Arts do National Endowment for the Arts, a maior premiação dada a artistas pelo governo dos Estados Unidos.

DeCarava encorajou outros fotógrafos  e acreditou na acessibilidade no meio. De 1955 a 1957 sob suas expensas estabeleceu e manteve em seu apartamento de arenito na 48 West 85th Street a Photographer's Gallery que mostrou o trabalho de grandes nomes da fotografia no período

DeCarava morreu em 27 de Outubro de 2009.

SITES - Homenagem

Roy Anthony Hargrove (Outubro 16,19169 – Novembro 2, 2018) foi um trompetista de jazz americano. Ele ganhou notoriedade mundial depois de ganhar dois Grammys por diferentes tipos de música em 1997 e 2002. Hargrove primariamente tocava no estilo hard bop na maioria de seus álbuns, especialmente em suas performances em "standards"  dos anos 90.

Hargrove foi o lider do grupo progressivo The RH Factor onde combinava elementos de jazz, hip-hop, funk, soul e gospel. O grupo incluia Chalmers Alford, Pino Paladino, James Poyser, Jonathan Batiste e Bernard Wright . Por longo tempo o seu gerente foi Larry Clothier.

Pessoa quieta e retraída em sua vida Hargrovoe sofria com problemas renais e no último dia 02 de novembro ele morreu de ataque cardíaco ocasionado por  falência renal. no Hospital mount Sinai em NYC. De acordo com seu manager Larry Clothier, Hargrove fez hemodiálise pelos últimos 14 anos.

Um grande perda para o cenário musical , Hargrove representava, sem dúvida e junto com Wynton Marsalis, a manutenção do trompete em evidência que é o seu lugar no mundo do jazz. 

LABEL

 

SPECIALTY Records foi um selo musical americano fundado em Los Angeles no ano de 1945 por Art Rupe. Foi muito conhecido pelo blues, r&b, gospel e early rockand roll. Gravou gente como Roy Milton, Little Richard, Guitar Slim, Percy Mayfield e LLoyd Price.

Rupe começou a companhia com o nome Juke Box Records mas trocou seu nome para Specialty quando a empresa foi repartida com os donos originiais.A filha de Rupe Rupe's relançou o selo em 1980 que foi adquirido pela Fantasy Records em 1991 e é hoje parte do Concord Music Group

ESPAÇO FESTIVAIS

Em novembro de 16 a 25 de novembro o EFG LONDON Jazz Festival.

Atenciosamente

Sidnei Anttogneto