REMEMBERING: STEVE RAY VAUGHAN

STEVE RAY VAUGHAN - At Montreux Jazz Festival - 1985 Edition. Noventa minutos de competência, drive e contemporaneidade. Gênio é assim. Aproveitem !!!!

PRÓLOGO

Capa do LP de Steve Ray ao vivo em Montreux.

O lugar de música boa é antes de tudo um espaço para compartilhamento. Aqui o jazz, o blues e o samba convivem harmonicamente porque têm não só a mesma raíz, a mesma origem mas porque constituem fontes de prazer, de entretenimento e conhecimento.  

Por aqui desfilarão grandes nomes com suas grandes obras para o gaúdio daqueles que se dispuserem a ter o prazer de passear pela criatividade, pelo drive e pelo swing do jazz improvisado e de arranjos e partituras rebuscadas, pela malemolência dos sambas clássicos, de bom partido e com os blues tradicional que não perde nunca sua atualidade e contamporaneidade.

Para mim, que me incumbirei de pesquisar, produzir, traduzir, editar e opinar, será uma experiência indescritível e muito prazeirosa por que me impus fazer algo que gosto realmente e todo o trabalho que isso vai gerar me permitirá aprender sempre, aumentar o meu conhecimento sobre o assunto e compartilhar com todos o mundo incomparável da música que se descortina à frente.

Não sistematizarei ou ordenarei nomes ou obras mas os apresentarei com o rigor e o apuro que o assunto me merece e sempre aberto e disposto a colaboração, sugestão e, por que não, críticas e correções. Além dos músicos compositores e suas obras mais relevantes, os eventos ligados à música, mais revistas, magazines, cronistas, fotógrafos e divulgadores de modo geral também terão seus espaços, para que os visitantes não se atenham exclusivamente à música e o músico mas também conheçam suas vidas, sua produção, seus caminhos e seus espaços e tudo aquilo que a música gera.

Espero que vocês gostem porque eu sinceramente vou ter muito prazer em fazer sabedor que sou de que todo o trabalho, o custo e tempo que terei que dispor será uma das coisas mais agradáveis que vai me acontecer.

Espero vocês, sempre !!!!

PRÓXIMA ATRAÇÃO: ELMORE JAMES

James nasceu Elmore Brooks em Richland, Holmes County, Mississippi, o filho ilegítimo de LeolaBrooks de quinze anos, trabalhadora do campo. Sei provável pai Joe Willie "Frost" James, que vivia com Leola e do qual Elmore adotou o sobrenome Ele começou a fazer música com doze anos usando um instrumento de uma corda só muito comum na época o "jitterbug". Antes do sucesso apresentou-se em dancings sob diversos nomes como Cleanhead and Joe Willie James. Em 1942 casou-se com Minnie Mae e durante sua vida separou-se e casou mais duas vezes.

James recebeu muita influencia de Robert Johnson , Kokomo Arnold e Tampa Red de quem, especialmente, gravou muitas canções Herdou, também da banda de  Tampa Red dois músicos que se juntaram à sua banda, The Broomdusters, Little Johnny Jones, píanista, e Odie Payne, baterista. Ocorreu então uma disputa para se saber se Jones ou James escreveram a canção assinada por James "Dust My Broom.

Durante a Segunda Guerra Mundial James trabalhou na Marinha como timoneiro e participou da invasão da ilha de Guam no Pacífico. Depois de sua dispensa retornou ao Mississippi e radicou-se na cidade de Canton  com seu irmão adotivo Robert Holston. Trabalhando na loja de material elétrico de Robert e usando peças da loja combinadas com dois DeAmond pickups concebeu um aparelho sonoro único  que utilizava em suas apresentações. Nesse tempo soube que tinha uma grave doença no coração.

Ele começou a gravar com a Trumpet Records perto de Jackson em janeiro de 1951, primeiro como sideman de Sonny Boy Williamson II e para seu mútuo amigo Willie Love . Ele fez sua estréia como líder de  uma sessão em agosto com sua música "Dust My Broom" que em 1952 seria a surpresa do R&B e seus músicos passaram a ser conhecidos com "The Broomdusters". 

James, nessa ocasião,  desligou-se da Trumpet Records e assinou com os Bihari Brothers apresentados a ele por seu companheiro Ike Turner, que tocava guitarra e piano em vários dos registros produzidos pelos irmãos. Sua música "I Believe" foi um grande sucesso um ano depois. Durante os anos 50 ele trabalhou para várias gravadoras além da Bihari como Flair Records, Meteor Records, Modern Records, Chess Records e Mel London's Chief Records. Tocou, também, guitarra com Joe Turner em 1954 no seu Top 10 R&B hit "TV Mama"

Em 1959 começou a gravar para a Bobby Robinson Fire Records onde ralizou entre outros sucessos os singles 'The Sky is Crying", "My Bleending Heart" "Stranger Blues" "Look on Yonder Wall" " Done Somebody Wrong" e Shake your Moneymaker".

Em 1953 James morreu de ataque cardíaco em Chicago depois de um tour pela Europa e de participar do American Folk Blues Festival daquele ano. Ele está enterrado no Newport Bastist Church Cememtery em Ebenezer, Mississippi.  

 

24/10/2017

ELMORE JAMES - Dusty My Broom o maior sucesso do bluesman do Mississippi considerado o rei da guitarra slide

PRÓXIMA ATRAÇÃO: HOWARD ALDEN

Howard Alden

Howard Alden nasceu em Newport Beach , Califórina em 17 de outubro de 1958 Ele cresceu em Huntington Beach  e já tocava piano, harmonica, banjo e guitara de 4 cordas aos 10 anos. Depois de ouvir discos de Barney Kessel, Charlie Christian e Django Reinhardt e outros grandes guitarristas de jazz ele passou para a guiatarra de seis cordas e foi um auto didata nesse instrumento. Para se aprimorar buscou, aos dezesseis, aulas com Jimmy Wyble e em 1977 foi estudar guitarra para jazz no Guitar Institute of Technology em Hollywood com Herb Ellis, Joe Pass e Howard Roberts. Na GIT foi assistente de Roberts na organização e preparação de matérias curriculares. Alden, então, passou a conduzir algumas classes próprias no Instituto. 

Alden fez sua primeira turnê costa a costa no verão de 1979 tocando com o trio do vibrafonista Red Norvo e por três meses no Resorts International em Atlantic City. 

Mudou-se para New York City em 1982 para tocar um projeto musical longo com o pianista Joe Bushkin no Cafe Carlyle.  no Café Carlyle. Logo em seguida foi descoberto por Joe Williams e Woody Herman. Em 1983 já colaborava com Dick Hyman  quando participou com muitos outros convidados no concerto de aniversário dos cem anos de Eubie Blake.

Alden, em 1985, formou o Alden-Barret Quintet em colaboração com Dan Barret que fez muito pela sua carreira porque o introduziu na língua do swing. Parcerias com Kenny Davern e Jack Lsberg também aconteceram, mas George Van Eps, o inovador da guitarra de sete cordas, com quem trabalhou e gravou quatro álbuns definiram sua carreira desde 1992, quando adotou o instrumento, até hoje.    

Alden vive atualmente em Manhattan, New York e em 2015 casou-se, em San Marino, na California com Diane Carmen Garcia.

 

08/11/2017

HOWARD ALDEN TRIO com Buck Pizzarelli e Jack Wilkins - Deed I Do o "standard" de Fred Rose na magistral interpretação do trio. Simplesmente sensacional !!!

SEÇÕES

PHOTOGRAPHERS

DAVID REDFERN

Redfern nasceu em Ashbourne, Derbyshire e começou sua carreira como fotógrafo de festivais de jazz no Beaulieu Jazz Festival. Nos anos 60 visitava regularmente o Marquee Club e o Ronnie Scott's Jazz Club e lá fotografou entre outros Miles Davis e Ella Fitzgerald. Buddy Rich, o famoso baterista, o alcunhava de o "Cartier-Bresson" do jazz. Ainda nos anos 60 fotografou para televisão no aclamado programa Ready Steady Go! e para a Motown inglesa e aí temos Steve Wonder, Smokey Robinson e Marvin Gaye. Fotografou os Beatles também para o filme, de 1967, Magical Mistery Tour.

Em 1980 transformou-se no fotógrafo oficial de Frank Sinatra à pedido do cantor. Redfern criou, então, sua própria agência para representa-lo que reuniu, ao longo de décadas, mais de 400 fotógrafos ligados de alguma forma à música. Em 2008 vendeu a agência para a Getty Image.

Foi presidente da BAPLA, a Associação Britânica de Agências e Biblioteca de Imagens de 1992 até 2014.

Morreu de câncer aos 78 anos na cidade Uzès na França, sua residência.

O Serviço Postal Americano homenageou, em 1995, alguns grandes artistas e três das fotos de Redfern foram utilizadas para a criação dos selos comemorativos.

Stamp 1Stamp 2Stamp 3

 

 

SITES 

 

Chris Standring, o excepcional guitarrista britânico radicado na Califórnia volta com mais uma de suas produções. Na página Sites você tem o último e-mail do músico para mim contando suas novidades. É interessante não só para conhecimento mas também para aproveitar caso a Califórnia seja seu destino nas datas. É descontraída, leve e imperdível a verve e a competência do músico.

JAZZ LABEL

Landmark Records foi uma gravadora de jazz americana fundada em 1985 por Orrin Kneepnews, produtor de lendas como Thelonious Sphere Monk e ganhador de 4 Grammys,. Landmark incluia em seu acervo originais de músicos como Donald Byrd, Jack de Johnette, Jimmy Heath, Vincent Herring, Bobby Hutcherson, Mulgrew Miller, Buddy Montgomery e muitas  reedições de "Cannonball" Adderley que é nossa PRÓXIMA ATRAÇÃO.

O catálogo da gravadora incluia também dois álbuns de jazz do memorável Kronos Quartet (David Herrington, John Sherba, Hank Dutty e Sunny Wang) retratando trabalhos de Bill Evans e Thelonious Monk. LandMark foi comprada pela Muse Records em 1993 que por sua vez passou para o domínio da 32 Jazz em 1996. Em 2003 a Savoy Jazz, subsidiária da Nippon Columbia  ficou com os direitos dos catálogos da Muse, Landmark e 32 Jazz. Detalhes e sugestões de registros da Landmark na página Labels - Tomo V.

ESPAÇO FESTIVAIS

O 25o. London Jazz Festival, patrocinado pelo EFG Bank, a realizar-se na capital inglesa de 10 a 19 de novembro em vários espaços da cidade como o Royal Festival Hall e Barbican Centre/Milton Court Concert Hall terá como estrelas Pat Metheny, Brad Meldhau, Charles Toliver, Abdulah Hibraim, Paolo Conte, Tomaz Stancko e Marcus Miller entre outros. Serão aproximadamente 350 eventos em outros 60 locais na cidade e sua maioria free. É aproveitar o outono londrino com música boa o tempo todo !!!

Atenciosamente

Sidnei Anttogneto