Continuando o mês do Trompete; Hoje uma revelação Roy Hargrove

Roy Hargrove - Tom Cat no Teatro Moiére em Bruxelas com o quinteto Justin Robinson, Sullivan Fortner, Quincy Phillips e Ameen Saleem.

PRÓLOGO

Nossa próxima atração no mês do trompete; WYNTON MARSALIS

Prezados amigos,

Eu poderia dizer um monte de coisas sobre o site mas vou resumir. Aqui é lugar de música boa, não importa se é esse ou aquele ritmo, melodia, harmonia o que vale é a presença do amor e qualidade. A música, independente da motivação, origem, etnia ou vertente sempre é fator multiplicador de emoçôes, de comunhão e de fraternidade. Nesse contexto criei o Sidão na Parada. Sidão na Parada é onde a gente se encontra, onde posso, considerados os meus parcos conhecimentos do ambiente, considerada a qualidade que é um componente indispensável, me relacionar com os meus amigos e com todos aqueles que apreciam e são devotos de Euterpe. Nada é melhor para representar, pasmem, a verdadeira musa da música que o jazz, o blues e o samba. As raízes africanas, o sofrimento, a mistura, o drive, o swing, o balanço são componentes imprescindíveis na atribulação que é viver hoje. Então sem mais delongas segue o show. Aproveitem e tenham a certeza que estarei sempre a disposição, com o empenho e dedicação que a MÚSICA merece para falar, comentar e viver de modo pleno e intenso esse universo. Aguardo a presença e a visita de todos, sempre. 

Com os meus respeitos, aqui é lugar de música boa !!!!

Sidão Anttogneto

ATRAÇÃO DA SEMANA: DIZZY GILLESPIE

John Birks Gillespie um gênio do bebop.

John Birks "DizzyGillespie nasceu em Cheraw na Carolina do Sul em 21 de outubro de 1917 e foi um trumpetista americano de jazz, composito, bandleader e cantor.

Gillespie era virtuoso e improvisador e construiu seus estilo tendo como êmulo Roy Eldridge com a adiçao de camadas de harmonia e ritmos complexas até então desconhecidas no jazz. Sua combinação de musicalidade, showman e sagacidade fizeram dele um líder muito popular da nova música, o bebop. Suas boinas e seus óculos de aro de chifre, sua maneira peculiar de cantar em scats, seu trumpet curvado, suas bochechas infladas e sua despreocupação deram ao bebop seu símbolo mais proeminente.

Em 1940, Gillespie, com Charlie Parker surgiram como as maiores figuras no desenvolvimento do bebop e do jazz moderno. Ele ensinou e influenciou muitos músicos e nessa lista se incluem Miles Davis, Jon Fadis, Fats Navarro, Clifford Brown, Arturo Sandoval , Lee Morgan, Chuck Mangione e Johnny Hartman

O historiador Scott Yanow escreveu: A constribuição de Gillespie para o jazz é enorme  Um dos maiores trupetistas de todos os tempos Gillespie foi um músico de jazz muito complexo que sua influência acabou por aparecer desde seus contemporâneos Miles Daivs e Fats Navarro até emergir John Faddis já nos anos 70. Indiscutivelmente Gillespi é lembrado, por todas os críticos e fãs como o maior de todos os tempos.

O mais novo de nove filhos de Lottie e James Gillespie que era um bandleader local, de Cheraw, o que lhe permitia desde cedo o contato com os mais diversos intrumentos musicais. Dizzy começou com o piano com quatro anos e seu pai morreu quando ele tinha dez anos. 

Dizzy aos doze anos ja tocava trombone e trumpete como auto-didata. Uma noite ouviu Roy Eldridge no rádio e começou a sonhar em ser um músico de verdade. Ganhou uma bolsa de estudos musical para o Lauringburgh Institute no qual permaneceu por dois anos até a família se mudar para Philadelphia.

Sue primeiro trabalho profissional foi com a Frank Faixfax Orchestra em 1935 e na sequencia com as orquestras de Edgar Hayes e Teddy Hill onde substituiu Roy Eldridge, seu ídolo, como primeiro trupete em 1937, com essa banda também gravou seu primeiro disco com a música King Porter Stomp Em agosto de 1937 quando se apresentava com Hayes conheceu uma jovem dançarina, Lorraine  Willis que trabalhava no circuito Baltimore-Philadelphia-New York City que incluia o Apollo Theater. A princípio Lorraine não lhe deu bola mas Dizzy apaixonou-se e insistiu, casou-se com ela em 1940  e foram casados até 1993, ano de sua morte. 

Ficou com Hill por um ano e depois foi free-lancer de várias outras bandas. A seguir juntou-se à Cab Calloway Orchestra com quem gravou sua primeira composição , a instrumental Pickin' the Cabbage em 1940.

Depois de uma altercação notável entre os dois homens Caloway atirou em Gillespie no fim de 1941. O incidente é recontado por membros da banda de Calloway Milt Hinton e Jonah Jones no filme de Jean Bach The Sitball Story de 1997. Calloway não suportava o humor malicioso de Dizzy nem a abordagem aventureira de seus solos que chamava de Chinese Music e nem achava Dizzy um bom músico. Durante um ensaio um membro da banda falou uma besteira e Calloway decidiu culpar Gillespie que negou e o problema avolumou-se de tal modo que causou a primeira briga na qual Dizzy esfaqueou a perna de Cab causando um pequeno corte. Depois do incidente eles se separaram e Cab atirou em Dizzy. Alguns dias depois Dizzy desculpou-se mas Cab o despediu.

Durante seu tempo na orquestra de Cab Dizzy começou a escrever para big bands como as de Woody Herman e Jimmy Dorsey. Ele então trabalhou como freelancer mais frequentemente com a orquestra de Ella Fitzgerald composta por membros da Chick Webb Band. 

Gillespie juntou-se ao colaborador de longa data da banca de Hines Billy Eckstine e isso o fez um membro da banda de Billy e consequentemente o reuniu a Charlie Parker. Deixou, entretanto em 1945, a banda de Billy porque sempre ligou o seu destino a pequenos grupos. de não mais de cinco membros: piano, trumpete, saxofone, baixo e baterias

Bebop ficou conhecido com o primeiro estilo de jazz moderno, contudo não era muito popular e de início não foi visto como postivamente  dançável até a introdução do swing por Parker e permitindo, dessa forma, a diversidade trazida por Thelonious Monk, Bud Powell, Kenny Clarke, Oscar Pettiford e Dizzy. Esses músicos criaram um novo vocabulário e fraseado  para a música. Com Parker e Gillespie enfiados nos clubes de jazz como Minton's Playhouse, e Monroe',s Uptown House criou-se uma nova plataforma para o jazz: o sistema de Parker que mantinha adições de acordes em progressão com as linhas de improvisação.   

As composições de Gillespie Groovin' High, Woody 'n' You e Salted Peanuts soaram radicalmente diferentes, tanto harmonica como ritmicamente do popular swing da música da época. Com A Night in Tunisia, escrita em 1942, executada por Dizzy com a Banda de Earl Hines é, então, notada, por apresentar síncopes e uma já notável influencia de ritmos afro-cubanos. Woody 'n' You foi gravada numa sessão liderada por Coleman Hawkins com Dizzy de sideman em fevereiro de 1944.  e é considerada a primeira gravação formal do bebop. Gillespie então começou a aparecer em gravações da época e em 1945 participou da apresentação do bebop numa sessão de rádio e a partir daí o trumpetista achou que o bebop não podia ficar restrito a pequenos grupos  e organizou no final daquele ano a Dizzy Gillespie And His Rebop Six, incluindo Parker. Paralelamente Gillespie liderou pequenos combos , incluindo músicos como Milt Jackson, John Coltrane, Lalo Schiffrin, Ray Brown, Kenny Clarke, James Moody, J.J.Johnson e Yusef Lateef. Em 1947 Dizzy e suas big bands, com arranjos de Tadd Dameron, Gil Fuller e George Russell  popularizou o bebop e tornou-se o símbolo da nova música. Passaram a fazer parte de suas bandas os rumberos cubanos Chano Pozo e Sabu Martinez demonstrando, dessa forma, o interesse pelos ritmos caribenhos em especial os cubanos.

Em 1948 Gillespie se envolveu em um acidente de tráfego quando sua bicicleta foi colhida por um automóvel. Ele se feriu levemente entrou na justiça e ganhou cerca de U$ 1000 com o acidente que também entortou seu trumpete. Em janeiro de 1953 ele usou, numa festa para sua esposa lorraine, o trumpet torto do acidente, gostou do som e aquele trumpete se tornou sua marca registrada.

De 1956 em diante Dizzy se envolveu com a criação de badas, participou de muitos festivais e era tão normal encontra-lo em todos os acontecimentos que passou a ser conhecido como The Ambassador of Jazz. Músicos muito famosos participaram de suas bandas e se apresentaram junto dele nos festivais, especiamente no Newport Jazz Festival. Gravou em 1957 sua apresentação naquele festival com Mary Lou Williams ao piano.

Sua música foi sofrendo a influencia dos ritmos afro-cubanos desde 1940 e suas composições dedicadas a esse segmento como Manteca, Tin Tin Deo, Cubano Be, Cubano Bop sempre com Pozo, Rodriguez de início e em 1977 conheceu Arturo Sandoval numa jornada em Cuba.

Seu biógrado Alyn Shipton com a vênia de Don Waterhouse disse que Gillespie tinha começado uma experiência jazzistica que ao amadurecer tornou-se a base para o novo clássico. Já Miles Davis dizia que Gillespie parmaneceu fiel ao estilo bebop em toda a sua carreira.

Em 1960 foi conduzido pela revita Down Beat ao Jazz Hall Of Fame.

Dizzy, desde 1968 aderiu ao Bahá'i Faith tornando-se um dos mais famosos bahá'is e como levava tudo na brincadeira antes disso candidatou-se à presidente dos EUA formando uma chapa com vários músicos já famosos, como Theloniuous, Miles e outros e devido à fé que abraçava teve que formalmente retirar sua candidatura, fazendo com que seu material de campanha se tornasse muito apreciados pelos colecionadores (até hoje). Dizzy foi tão importante para a Bahá'i Faith que ele é honrado sempre com uma semana de sessões de jazz no New York Bahá'i Center todos os anos.

Em 1979 publicou sua auto biografia, To Be onr Not To Bop.

Em 1980 liderou a Unidet Nation Orchestra que teve, por 3 anos, Flora Purim como crooner em suas incursões pelo mundo David Sanchez também viajou com o grupo e assim como Flora credita a Dizzy uma influência grandiosa e responsável pela indicação deles ao Grammy.

Associações com Arturo Sandoval, Steve Wonder Moe Koffman  foram responsáveis por Do IDo, Oo Pop a Da e tantos outros sucessos com scats e solos de trupete no início dos 80.

Entre 1989 e 1992 Gillespie fez 300 apresentações em 27 países, apareceu em 100 cidades dos Estados Unidos em 31 estados e Distrito de Columbia, comandou três espaciais para televisão, tocou com 2 sinfônicas e gavou 4 álbuns. Foi coroado como "traditional chief" na Nigéria e recebeu a Ordre des Arts et des Lettres o mais prestigioso prêmio artístico francês. Foi nominado como regente professor pela California University e recebeu mais 14 títulos de Doutor Honorário sendo um deles do Berklee College Of Music. Foi também premiado com Grammys, com o Kennedy Center Honors Award e pela American Society ou Composer, Author and Publishers, com o Duke Ellington Award pelos 50 anos como bandleader, por fim o Polar Music Prize na Suécia.

No final de 1991 durante uma apresentação em Emeryville na California sofreu uma crise pancreática. Trabalhou mais uma noite mas cancelou os demais compromissos, encerrando dessa forma 56 anos de sua carreira de tournée. Sua última sessão de gravaçao ocorreu em 25 de janeiro de 1992. 

Em novembro de 1992 no II Baháí World Congres foi celebrado o aniversário de 75 anos de Dizzy, que ia comparecer entretanto a evolução de sua doença não permitiu. Jon Faddis, James Moody, Paquito D'Rivera, MIke Longo,Ben Brown e Mickey Roker tocaram em sua homenagem.

Dizzy morreu em Englewood com 75 anos e está enterrado no Fluushing Cemetery, Queens, NYC. MIke Longo discursou em seu enterro. Postumamente foi nominado para o International Latin Music Hall Of Fame em 2014. 

14/06/2018

É uma performande do Jazz At The Philarmoic de 1967 com Dizzy e uma plêiade de mestres impressionantes com mais de 90 minutos do melhor jazz já concebido. É sensacional !!!

PRÓXIMA ATRAÇÃO: WYNTON MARSALIS

Wynton Marsalis - Sensacional trompetista americano de jazz, compositor, professor e diretor do Jazz At Lincoln Center

Wynton Learson Marsalis nasceu em 18 de Outubro de 1961 e é um trompetista americano, compositor, professor e diretor arstístico do Jazz Lincoln Center. Ele tem promovido frequentemente musica clássica e jazz para audiências jovens. Marsalis foi também premiado com nove Grammy Award e o sua composição Blood On The Friends foi a primeira jazzistica a ganhar um Pulitzer Prize for The Music. Ele é filho de Ellis Marsalis um pianista e neto de Ellis Marsalis Sr empresário ativista dos Direitos Humanos, irmão de Brandford, saxofonista, Delfeayo, contrabaixista e Jason, baterista.

Marsalis nasceu em uma família musical de New Orleans e é o segundo filho de Delores Ferdinand e Ellis Marsalis Jr, pianista e professor. Recebeu o seu nome em homenagem ao genial pianista jamaicano Wynton Kelly. Aos seis anos recebeu suas primeiras lições de trompete tendo ganho de Al Hirt, um famoso trompetista de NO, um instrumento. Teve lições de jazz e música clássica. 

Ele cresceu em Kenner, Louisiana e ficou com trompete porque seu irmão mais velho, Brandford já tocava saxofone e piano e praticou exausivamente dos seis aos doze anos.

Aos oito anos já tocava as múscias tradicionais de NO na banda da Fairview Batist Church liderada pelo banjoista Danny Baker. Aos catorze já estava na NO Philharmonic. Durante o colégio ele tocava com o NO Symphony Brass Quintet, na NO Community Concert Band, na NO Youth Orchestra, na NO Symphony além de outras bandas de jazz e numa de funk chamada The Creators. Em 1979 graduou-se na Benjamin Franklin High School e na NO Center for Creative Arts. Aos desessete foi o mais jovem músico a ser admitido no Tanglewood Music Center.  

Em 1979 mudou-se par New York City e foi admitido na Julliard onde atou enquanto lá esteve. Recebeu o National Endowement For Arts e foi estudar com Woody Sahw, uma de suas maiores influencias e teve como mentor Herbie Hancock  com quem frequentemente tocou.

Sua primeira gravação foi em 1980 como membro da big band Art Blakey and The Jazz Messengers. Um ano depois excursionou Herbie Hancock e em seguida assinou contrato com a Columbia Records  e gravou seu primeiro disco solo em 1982. No mesmo ano formou um quinteto com seu irmão Brandford, Kenny Kirkland, Charnett Moffet e Jeff "Tain" Watts. Depois de três anos o quinteto se desfez e um quarteto com Marcus Roberts, Robert Hurst e Jeff "Tain" Watts que após algum tempo se expandiu para uma banda que incluiu Wes Anderson. Wycliffe Gordon, Eric Reed, Herlin Riley, Regnald Veal e Todd Williams.  

Quando perguntado sobre influências no seu estilo de tocar cita Duke Ellington, Miles avis, Harry "Sweets" Edison, Clark Terry, Dizzy Gillespie, Jelly Roll Morton, Charlie Parker, Wayne Shorter, Thelonious Monk, Cootie Williams, Ray Nance, Maurice Andre e Adolph Hofner

Em 1987 ajudou a começar os concertos de verão de jazz clássico no Lincoln Center em NYC. O sucesso da série expandiu-se para a criação do Jazz At Lincoln Center, um departamento da instituição dedicado à expansão da música, especialmente do jazz, que passou a ser uma entidade independente em 1996 com organização parecida com a NY Philharmonic e o Metropolitan Opera e Marsalis como seu diretor musical da banda. As performances da banda começaram a acontecer na casa e depois no Rose Hall da Columbia e em excursões, visitas a escolas, no rádio, na TV. e a produzir álbuns sob seu próprio selo, o Blue Engine Records.

Em 1995 Marsalis apresentou um programa educacional chamado Marsalis On Music na televisão pública e enquando durou seu programa a National Public Radio transmitiu sua série Making The Music. Amboso os programas foram agraciados com o premio George Foster Peabody Award, o maior prêmio dado ao jornalismo.

Em 2011 Marsalis e Eric Clapton tocaram juntos no Jazz At Lincoln Center concerto. A performance foi gravada e transformou-se no álbum Play the Blues: Live from Jazz at Lincoln Center. Em dezembro do mesmo ano foi nomeado o correspondente cultural para o programa CBS This Morning. É também membro do Curiosity Sream Advisory Board, diretor dos programas de estudo na Julliard Scholl e recebeu o título de A.D. White Professor-At-Large da Cornell University.  

Depois do primeiro álbum em 1982 ganhou o The Best Musician of The Year, no trompet, na Down Beat e melhor álbum de jazz e em 2017 foi conduzido ao Down Beat Hall of Fame, por sinal um dos mais jovens artistas a integrar o seleto grupo.

Em 1983, com vinte e dois anos, ele tornou-se o primeiro músico a ganhar o Grammy Award como músico de jazz e clássico no mesmo ano e no ano seguinte também. 

Ao ganhar o primeiro Pulitzer for Music, o maestro Zubin Mehta "se disse não surpreso em função de Marsalis ser uma tela lindamente pintada que impressiona e inspira e que em algum lugar do firmamento Buddy Bolden, Louis Armstrong e uma legião de outros estão sorrindo para ele, agora". Marsalis ganhou também a National Medal Of Arts , a National Humanities Medal e foi nomeados para o NEA Jazz Master.

Seus discos somam sete milhões de cópias, excursionou para mais de trinta países e visitou todos os continenter, exceto a Antartica.

Seus premios são, de fato, inúmeros e além dos EUA em uma série de países pelo mundo e poderia prosseguir falando deles, de todas as universidades e academias onde é Fellow ou Honories ou prêmios que não se cansa de ganhar. Sua música e dedicação o elevaram a esse status, lugar que aproveita para difundir, com seu prestígio, qualidade e discernimento,  a boa música e toda a excelência com que a leva a todos.  

Recebeu, recentemente, homenagens e prêmios das Univerdidades de New York, Columbia, Harvard, Princeton, Northwestern, Vermont e State de NYC.

 

02/07/2018

WYNTON MARSALIS E A LINCOLN CENTER JAZZ ORCHESTRA NO FESTIVAL DE JAZZ DE VITORIA-GASTEIZ NO PAÍS BASCO - ESPANHA. A MÚSICA É 'PERDIDO'.

SEÇÕES

PHOTOGRAPHERS

ROY DeCARAVA

Roy DeCarava foi um fotógrafo afro-americano que nasceu em 1919 e recebeu muito jovem uma aclamação da crítica por suas fotografias inicialmente pelo envolvimento e o sentido imaginativo das vidas dos músicos de jazz afro americanos  nas comunidade onde viviam e trabalhavam. Sua carreira abrange aproximadamente seis décadas e DeCarava veio a ser muito conhecido pelo estilo e o aproveitamento do campo nas fotografias em branco e preto  que eram de um refinamento e qualidade incomparáveis. O destaque e o approach de seu objeto eram de tal forma criativos, sensivel e ao mesmo tempo muito diferente da documentação social de seus predecessores. 

DeCarava produziu cinco livros  incluindo The Sound I Saw e The Sweet Flypaper of Life, assim como catálogos de referencia para museus e também pesquisas retrospectivas para os Amigos da Fotografia e o Museu de Arte Moderna de New York. Foi responsável por pelo menos 15 exibições solo e foi o primeiro fotógrafo afro-americano a ganhar o Guggehheim Fellowship. DeCarava foi capaz de fotografar por uma ano sua comunidade e New York, expressando cedo suas impressões criativas em branco e preto através do processo de gelatina de prata. Em 2006 foi premiado com a National Medal Of Arts do National Endowment for the Arts, a maior premiação dada a artistas pelo governo dos Estados Unidos.

DeCarava encorajou outros fotógrafos  e acreditou na acessibilidade no meio. De 1955 a 1957 sob suas expensas estabeleceu e manteve em seu apartamento de arenito na 48 West 85th Street a Photographer's Gallery que mostrou o trabalho de grandes nomes da fotografia no período

DeCarava morreu em 27 de Outubro de 2009.

SITES

 

chris standring.com Newsletter
 

E-mail recebido de Chris Standring sobre atividades e shows a partir de 11 de maio.
 

 

Hi Sidnei,

I have just returned from two fantastic shows at Seabreeze Jazz Festival in Florida and the Mallorca jazz festival in Spain. A little jet lagged but jumping back in the game after a couple of days rest and getting ready for another three show run next week. Albuquerque, New Mexico and two nights at Spaghettini in Seal Beach, California.

Both Spaghettini shows are all but sold out. There are just 6 open seats left at the Spaghettini second night show, so jump in now! Otherwise come up to Napa for my Blue Note record release show the following week. 

My new album Sunlight is still jumping at Amazon.com, I'm thrilled at the positive respo nse from everyone. I even had the great honor of having Bob James guest on this album (he played on a track called 'The Revisit'). Coincidentally, last week while I was in Mallorca, I bumped into Bob who was soundchecking on stage and he asked if I'd like to come up and join him for his last song in his set. I was thrilled! I got to play 'Westchester Lady' with him. These rare opportunites tend to create memories for a lifetime. What a fantastic week that was!

Hope your week is going well - I'll check in with you again later....

Take care!

Gigs coming up..

Date Venue Tickets
May 11th African-American Performing Arts Center, Albuquerque, NM Tickets
May 12th Spaghettini, Seal Beach, CA (record release party) Sold Out!
May 13th Spaghettini, Seal Beach, CA (record release party) Tickets
6 seats left!
May 19th Blue Note, Napa (record release party 7:30pm show) Tickets
May 19th Blue Note, Napa (record release party 9:30pm show) Tickets
July 19th Laguna Festival Of The Arts, Laguna Beach, CA On sale soon
Aug 10 Dayton, OH (with Paul Brown) TBA
Aug 21 Bogie's, Westlake, CA Tickets


Take care - talk soon!

 

 

 

BLUES LABEL

 

Charly Records é uma gravadora britânica espececializada em na reedição de grandes clássicos e em especial blues. 

Entre os selos reeditados por ela estão matrizes  da Charly, Vee-Jay, Sun, Immediate, BYG, Tomato e Fania.

Charly Records foi fundada na França em 1974 por Lean-Luc Young que foi promotor de concertos para jovens. Mudou-se a gravadora para Londres no ano seguinte. Originalmente conhecida principalmente por originais americanos de jazz e outras produções estranas como The Bollock Brothers. Tinha como rivais na época Rhino Records e See for Miles  

Na Europara era distribuida por Snapper Records sob licença de Licensemusic.com 

 

A produtora americana dedicou-se especialmente ao blues, funk, gospel e jazz.

 

ESPAÇO FESTIVAIS

De 29 de junho até 14 de julho em Montreux, Suiça, o maior festival de jazz do mundo. Apresentam-se Jason Moran, Avishai Cohen, Gilberto Gil, Gregory Porter, João Bosco, Billy Idol, Steve Winwood, Jamiroquai, Deep Purple, Jamie Culum, Alfredo Rodriguez, Seu Jorge, Iggy Pop, Stanley Clark, Brad Mehldau e Chick Corea entre outros.

Atenciosamente

Sidnei Anttogneto